• ViaBrasil Comunicação

Conheça os municípios brasileiros com projetos de ônibus elétricos

*Fonte: Portal ESTADÃO - 04/05/2022


Cidades contam com iniciativas para incorporação de ônibus elétricos em seu sistema, mas é necessário impulso maior


Enquanto não há novidade na forma de financiamento do transporte público coletivo, algumas cidades seguem com iniciativas para incorporação de ônibus elétricos em seu sistema, mas em um ritmo considerado muito lento por especialistas em mobilidade. “A cidade de São Paulo, por exemplo, tem metas ambiciosas de redução de emissões e tem muito potencial. Mas é necessário aumentar a pressão no ecossistema, como em montadoras, e oferecer as ferramentas necessárias para que se consiga dar o próximo passo, aumentando a participação dos elétricos na frota. Esse é o caminho para um transporte de qualidade e que seja mais justo, inclusivo e resiliente”, diz Jens Giersdorf, management head e membro da Transformative Urban Mobility Initiative (Tumi).



Em São Paulo, há apenas 19 ônibus movidos a bateria elétrica. Muito pouco perto da frota de cerca de 12 mil veículos. Foto: Divulgação BYD


De acordo com a SPTrans, do total da frota de 11.943 ônibus de São Paulo, há 220 elétricos, sendo 201 trólebus e 19 movidos a bateria. O Programa de Metas da prefeitura prevê que, até o fim de 2024, 20% da frota seja composta por modelos elétricos, e o órgão reforça que “o cronograma previsto em contratos de concessão aponta o percentual na redução de emissões de poluentes, independentemente do tipo de tecnologia veicular utilizado. O uso de energia elétrica ou outra matriz não poluente depende de estudos de viabilidade técnica e financeira, que estão sendo realizados”, informa. E que as metas da Lei 16.802, atrelada nos contratos, deverão ser cumpridas integralmente.

Até dezembro de 2021, foram incorporados 1.308 novos ônibus menos poluentes, garantindo, na comparação com 2020, redução de 14,14% na emissão de óxidos de nitrogênio (de 3.216 toneladas para 3.115), diminuição de 26,94% de material particulado (de 30,89 toneladas para 29,13) e de 1,44% na emissão de dióxido de carbono (de 1.281.905 toneladas para 1.265.140).


Exemplos de outras cidades

São José dos Campos (SP) possui 12 veículos leves sobre pneus (VLPs) articulados e 100% elétricos, que serão integrados ao transporte público. Esses ônibus estão rodando, desde o final de janeiro deste ano, como piloto, e já transportaram quase 15 mil usuários.



Veículo leve sobre pneus (VLP) 100% elétrico e que roda, desde janeiro, em São José dos Campos. Imagem: Divulgação BYD

De acordo com Paulo Roberto Guimarães Junior, secretário de Mobilidade Urbana do município, a frota elétrica representa 4% do total de veículos do sistema, mas há um projeto para que 100% da frota urbana seja eletrificada até abril de 2023. “Publicamos um edital para locação de frota totalmente elétrica para o transporte público municipal, com previsão de 350 veículos. São José dos Campos será a primeira cidade do Brasil a ter uma frota 100% elétrica”, afirma.


Ele explica que o processo está sendo financiado com recursos do próprio município, via Tesouro municipal e arrecadação tarifária do transporte. “Complementam o orçamento receitas acessórias e alternativas, como a outorga recebida em função da concessão do serviço de estacionamento rotativo em vias públicas, no valor de R$ 9,2 milhões, mais 38,5% da arrecadação do sistema”, explica.


São Paulo tem 220 ônibus elétricos: 201 trólebus + 19 movidos a bateria

A cidade do Rio de Janeiro ainda conta com ônibus elétricos – apenas os veículos leves sobre trilhos (VLTs) –, mas teve, recentemente, um piloto nesse sentido. “Disponibilizamos para a população um ônibus elétrico durante quase três meses, em um passeio cultural pelo bairro de Madureira, batizado de projeto Verão Verde. A iniciativa integra nossa busca por oportunidades na construção de soluções sustentáveis”, diz Carlos Eduardo Cardoso de Souza, diretor de e-city da Enel X Brasil.


O que o município possui, hoje, são compromissos do Plano de Desenvolvimento Sustentável e via decretos, como a introdução de 40 ônibus elétricos até 2024 para iniciar a transição da frota e, a partir de 2025, a incorporação apenas de veículos zero emissão. “Também nos comprometemos com 20% da frota composta por ônibus zero emissão até 2030”, explica Gabriel Oliveira, coordenador de projetos estratégicos da Secretaria Municipal de Transportes do Rio de Janeiro (SMTR). De acordo com ele, diversas fontes de financiamento estão sendo estudadas, mas ainda não há definição sobre o assunto.